31 de mai de 2014

ESTUDO - Parte 1 - Extraído do Livro CELEBRAÇÃO DA DISCIPLINA de Richard Foster



A Disciplina do Estudo

 

“Quem estuda somente os homens, adquire o corpo do conhecimento sem a alma; e quem estuda somente os livros, a alma sem o corpo. Quem adiciona a observação àquilo que vê, e reflexão àquilo que lê, está no caminho certo do conhecimento, contanto que ao sondar os corações dos outros, não negligencie o seu próprio.” - Caleb Colton

O propósito das Disciplinas Espirituais é a total transformação da pessoa. Elas visam a substituir os velhos e destruidores hábitos de pensamento por novos hábitos vivificadores. Em parte alguma este propósito é visto mais claramente do que na Disciplina do estudo. O apóstolo Paulo diz que o modo de sermos transformados é mediante a renovação da mente (Romanos 12:2). A mente é renovada aplicando-se a ela as coisas que a transformarão. “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento” (Filipenses 4:8). A Disciplina do estudo é o veículo básico que nos leva a ocupar o pensamento. Assim, devemos regozijar-nos pois não estamos por conta de nossos próprios inventos, mas recebemos este recurso da graça de Deus para a transformação de nossa disposição interior.
Muitos cristãos permanecem em sujeição a temores e ansiedades simplesmente porque não se beneficiam da Disciplina do estudo. Talvez sejam fiéis em sua freqüência à igreja e desejosos de cumprir seus deveres religiosos, mas ainda não estão sendo transformados. Não estou aqui falando dos que manifestam meras formas religiosas, mas dos que verdadeiramente buscam adorar e obedecer a Jesus Cristo como Senhor e Mestre.
Jesus deixou inconfundivelmente claro que o conhecimento da verdade é que nos liberta. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8:32). Os bons sentimentos ou experiências extáticas não nos libertarão.
O princípio é verdadeiro em qualquer área. É verdadeiro em Biologia e em Matemática. É verdadeiro no casamento e em outras relações humanas. Mas é especialmente verdadeiro com referência à vida espiritual.
Muitos estão embaraçados e confusos no andar espiritual por simples ignorância da verdade. Pior ainda, muitos têm sido levados à mais cruel escravidão por ensinamentos falsos.
Apliquemo-nos, pois, a aprender o que constitui a Disciplina Espiritual do estudo, a fim de identificar suas ciladas, praticá-la com alegria e experimentar o livramento que ela traz.

Que é Estudo?

Estudo é um tipo específico de experiência em que, mediante cuidadosa observação de estruturas objetivas, levamos os processos de pensamento a moverem-se numa determinada direção. Por exemplo, tomemos o estudo de um livro.
Vemo-lo, sentimo-lo. À medida que o estudamos, nossos processos de pensamento assumem uma ordem que se conforma à do livro. Quando feito com concentração, percepção e repetição, formam-se hábitos arraigados de pensamento.
O Antigo Testamento instrui no sentido de as leis serem escritas nas portas e nos umbrais das casas, e atadas aos punhos, de sorte que “estejam por frontal entre vossos olhos” (Deuteronômio 11:18). A finalidade dessa instrução era dirigir a mente de forma repetida e regular a certos modos de pensamento referentes a Deus e às relações humanas.
Devemos esclarecer, uma vez mais, que os arraigados hábitos de pensamento que se formam, conformar-se-ão à ordem da coisa que está sendo estudada. O que estudamos determina que tipos de hábitos devem ser formados. Por isso é que Paulo insistia em que nos ocupássemos das coisas que são verdadeiras, respeitáveis, justas, amáveis e de boa fama.
Embora a meditação e o estudo muitas vezes se superponham e funcionem concorrentemente, constituem duas experiências distintas. O estudo proporciona determinada estrutura objetiva dentro da qual a meditação pode funcionar com êxito.
No estudo há dois “livros” a serem estudados: verbal e não verbal. Livros e preleções constituem, portanto, apenas metade do campo de estudo, talvez menos.
O mundo da natureza e, muitíssimo importante, a observação cuidadosa dos acontecimentos e das ações são os campos básicos do estudo não verbal.

Quatro Passos

O primeiro é a repetição. A repetição é uma forma de canalizar a mente de modo regular, numa direção específica, firmando assim hábitos de pensamento. A repetição desfruta, hoje, de certa má fama.
Contudo, é importante reconhecer que a pura repetição, mesmo sem entender o que está sendo repetido, em realidade, afeta a mente interior. Hábitos arraigados de pensamento podem ser formados apenas pela repetição, mudando assim o comportamento. Esse é o princípio lógico central da psicocibernética, que treina o indivíduo para repetir certas afirmações regularmente (por exemplo, amo a mim mesmo incondicionalmente). Nem mesmo é importante que a pessoa creia naquilo que está repetindo; basta que seja repetido. A mente interior é assim treinada, e afinal responderá modificando o comportamento para conformar-se à afirmação. Naturalmente, este princípio tem sido conhecido durante séculos, mas só em anos recentes recebeu confirmação científica.
É por isso que a programação de televisão tem tanta importância. Com inumeráveis crimes cometidos todas as noites no horário nobre da TV, a própria repetição treinará a mente interior em padrões de pensamento destruidor.
A concentração é o segundo passo no estudo. Se além de conduzir a mente repetidas vezes ao assunto em questão a pessoa concentrar-se no que está sendo estudado, a aprendizagem aumenta sobremaneira. A concentração centraliza a mente. Ela prende a atenção na coisa que está sendo estudada. A mente humana tem capacidade incrível de concentrar-se. Esta capacidade natural do cérebro aumenta quando, com unidade de propósito, concentramos nossa atenção num desejado objeto de estudo.
Quando não apenas de maneira repetida canalizamos a mente num determinado sentido, concentrando nossa atenção no assunto, mas entendemos o que estamos estudando, então atingimos um novo nível. A compreensão é, pois, o terceiro passo na Disciplina do estudo; ela leva à introspecção e ao discernimento; também provê a base para uma verdadeira percepção da realidade.
Há necessidade de mais um passo: a reflexão. Embora a compreensão defina o que estamos estudando, a reflexão determina o seu significado. Refletir sobre os acontecimentos de nosso tempo, ruminá-los, são atos que nos levam à realidade interior desses acontecimentos. A reflexão faz-nos ver as coisas da perspectiva de Deus. Na reflexão chegamos a entender, não somente a matéria de nosso estudo, mas a nós mesmos. Jesus falou muitas vezes dos ouvidos que não ouvem e dos olhos que não vêem. Logo se torna óbvio que o estudo demanda humildade

Nenhum comentário:

Postar um comentário