6 de mar de 2014

ORAÇÃO - Parte 1 - Extraído do Livro CELEBRAÇÃO DA DISCIPLINA de Richard Foster

A Disciplina da Oração


A meditação introduz-nos na vida interior; o jejum é um recurso concomitante, mas a Disciplina da oração é o que nos leva à obra mais profunda e mais elevada do espírito humano. A oração verdadeira cria e transforma a vida.

Orar é mudar. A oração é a avenida central que Deus usa para transformar-nos.

Quanto mais nos aproximamos do pulsar do coração de Deus, tanto mais vemos nossa necessidade e tanto mais desejamos assemelhar-nos a Cristo. Quando oramos, lenta e graciosamente Deus revela nossos esconderijos e nos livra deles. “Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres” (Tiago 4.3). Pedir “corretamente” envolve paixões transformadas, renovação total. Na oração, na verdadeira oração, começamos a pensar os pensamentos de Deus à sua maneira: desejamos as coisas que ele deseja, amamos as coisas que ele ama.

Todos quantos têm andado com Deus consideraram a oração como principal negócio de suas vidas. As palavras de Marcos, “Tendo-se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto, e ali orava”, soam como um comentário sobre o estilo de vida de Jesus (Marcos 1.35). Davi deseja que Deus quebre as cadeias de auto-indulgência do sono: “de madrugada te buscarei” (Salmo 63.1, Edição Revista e Corrigida). Quando os apóstolos foram tentados a investir suas energias em outros mistérios importantes e necessários, eles decidiram entregar-se continuamente à oração e ao ministério da Palavra (Atos 6.4).

Martinho Lutero declarou: “Tenho tanto o que fazer que não posso prosseguir sem passar três horas diariamente em oração.” Ele sustentava como axioma espiritual que “Aquele que orou bem, estudou bem.” João Wesley disse: “Deus nada faz senão em resposta à oração”, e apoiava sua convicção devotando duas horas diariamente a esse exercício sagrado. O característico mais notável da vida de David Brainerd foi sua vida de oração. Seu diário está cheio de relatos de oração, jejum e meditação. “Gosto de estar sozinho em meu chalé, onde posso passar bastante tempo em oração.” “Hoje separo este dia para jejum secreto e oração a Deus.” “Quando volto ao lar e entrego-me à meditação, à oração, e ao jejum...”

Para eles a oração era suas vidas. Foi o trabalho mais sério de seus anos mais produtivos. Adoniram Judson buscava retirar-se dos afazeres e das pessoas sete vezes por dia a fim de engajar-se no sagrado mister da oração. Ele começava à meia-noite e de novo ao alvorecer; depois às nove, às doze, às quinze, às dezoito e às vinte e uma horas ele daria tempo à oração secreta. John Hyde, da Índia, fez da oração um característico tão dominante de sua vida que foi apelidado de “Hyde que Ora”. Para esses, respirar era orar.

Esses “gigantes da fé” acham-se tão distantes de qualquer coisa que tenhamos que experimentar que chegamos a desesperar-nos. Mas em vez de flagelar-nos por nossa falha óbvia, deveríamos lembrar-nos de que Deus sempre nos encontra onde estamos e lentamente nos conduz a coisas mais profundas.

Os suplicantes que encontramos na Bíblia agiam como se suas orações pudessem fazer e fizessem uma diferença objetiva. O apóstolo Paulo alegremente anunciou que “somos cooperadores de Deus” (1 Coríntios 3.9); isto é, estamos trabalhando com Deus para determinar o resultado dos acontecimentos. Moisés foi ousado na oração porque acreditava poder mudar as coisas, e mudar até mesmo a mente de Deus.
Isto vem como um verdadeiro livramento a muitos nós, mas também coloca diante de nós uma tremenda responsabilidade. Estamos cooperando com Deus para determinar o futuro! Certas coisas acontecerão na história se orarmos corretamente. Devemos mudar o mundo pela oração. Que motivação maior necessitamos para aprender este sublime exercício humano?

Dica de livro: Um clássico de Andrew Murra, “With Christ in the School of Prayer” (Com Cristo na Escola da Oração).

Aprendendo a Orar

A verdadeira oração é algo que aprendemos. Os discípulos pediram a Jesus:

“Senhor, ensina-nos a orar” (Lucas 11.1). Eles haviam orado a vida toda, não obstante, algo acerca da qualidade e quantidade da oração de Jesus levou-os a ver quão pouco sabiam a respeito da oração. Se a oração deles havia de produzir alguma diferença no cenário humano, era preciso que eles aprendessem algumas coisas.

A oração é um processo de aprendizado. Momento para indagar, para experimentar, até mesmo para falhar, pois é momento de aprender.

Durante anos eu havia orado por tudo e com grande intensidade, mas com pouco êxito. Então eu vi a possibilidade de estar eu fazendo algumas coisas erradas, podendo entretanto aprender de modo diferente. Peguei os Evangelhos e recortei todas as referências à oração e colei-as em folhas de papel. Ao ler o ensino do Novo Testamento sobre a oração, fiquei chocado. Ou as escusas e racionalizações para explicar a oração não respondida estavam erradas, ou estavam erradas as palavras de Jesus. Resolvi aprender a orar, de modo que minha experiência fosse conforme com as palavras de Jesus em vez de tentar fazer suas palavras conformes com a minha empobrecida experiência.

Talvez a mais surpreendente característica de Jesus ao orar seja que, ao fazê-lo em favor de outros, nunca terminava dizendo “se for da tua vontade”.

Nem o fizeram os apóstolos e profetas quando oraram a favor de outros.

Obviamente acreditavam conhecer a vontade de Deus antes que fizessem a oração da fé. Estavam tão imersos no ambiente do Espírito Santo que, ao encontrarem uma situação específica, sabiam o que se deveria fazer. A oração era tão positiva que freqüentemente tomava a forma de uma ordem direta, autoritária:

“Anda”, “Fica bom”, “Levanta-te”. Notei que, ao orar por outros, evidentemente não havia lugar para orações indecisas, tentativas, meio esperançosas, que terminam com “se for da tua vontade”.

Procurei pessoas que pareciam ter mais experiências com repostas de oração, e lhes pedi que me ensinassem tudo o que sabiam. Busquei a sabedoria e experiência dos mestres de oração do passado, lendo todos os bons livros que eu pudesse encontrar sobre o assunto. Comecei estudando os homens de oração do Antigo Testamento com novo interesse.

Ao mesmo tempo, comecei a orar em favor de outros com a expectação de que ocorreria uma mudança. Não esperei ser perfeito para orar pelos outros, se fosse assim jamais teria começado. 

Cada fracasso aparente levava a um novo processo de aprendizado. Cristo era meu Mestre. “Se permanecerdes em mim e as minhas palavras permanecerem em vós, pedirei o que quiserdes, e vos será feito” (João 15.7).

Podemos determinar se estamos orando da forma certa se os pedidos se realizam. Se não, procuramos o “defeito”; talvez estejamos orando de forma errada, talvez algo dentro de nós precise de mudança, talvez haja novos princípios de oração a ser aprendidos, talvez precisemos de paciência e persistência. Ouvimos, fazemos os ajustes necessários e tentamos de novo.

Um dos mais decisivos aspectos do aprendizado da oração pelos outros é entrar em contato com Deus. Começamos a orar pelos outros primeiramente concentrando-nos e ouvindo o trovão calmo do Senhor dos exércitos. Ouvir ao Senhor é a primeira coisa, a segunda coisa e a terceira coisa necessária à oração bem-sucedida. Soren Kierkegaard certa vez observou: “Alguém orava pensando, a princípio, que a oração era falar; mas foi-se calando mais e mais até que, afinal, percebeu que a oração é ouvir.”

Devemos ouvir, conhecer a vontade de Deus e a ela obedecer antes que a peçamos para a vida de outros. A oração de orientação constantemente precede e cerca a oração da fé.

Em questões de problemas físicos, sempre tendemos a orar primeiro pelas situações mais difíceis: câncer terminal ou esclerose múltipla. Mas quando ouvimos, aprendemos a importância de começar por coisas menores como resfriados ou dores de ouvido. O êxito nos pequenos cantos da vida dá-nos autoridade nas questões maiores. Na quietude, aprenderemos não somente quem é Deus mas como seu poder opera.

Às vezes temos medo de não ter fé suficiente para orar por este filho ou por aquele casamento. 
Nossos temores deveriam ser sepultados, pois a Bíblia nos diz que os grandes milagres são possíveis pela fé do tamanho de um pequenino grão de mostarda. De modo geral, a coragem para orar a favor de uma pessoa é sinal de fé suficiente. Com freqüência o que nos falta não é fé, mas compaixão.

Parece que a verdadeira empatia entre o suplicante e o beneficiário de nossa súplica estabelece a diferença. A Bíblia diz que Jesus “compadeceu-se” das pessoas. Compaixão foi um aspecto evidente de toda cura registrada no Novo Testamento. Não oramos pelas pessoas como “coisas” mas como “pessoas” a quem amamos. Se tivermos compaixão e interesse dados por Deus, ao orarmos pelos outros nossa fé crescerá e se fortalecerá. Com efeito, se verdadeiramente amarmos as pessoas, desejaremos a elas muito mais do que podemos dar-lhes, e isso nos levará a orar.

O senso interior de compaixão é um dos mais nítidos indícios da parte do Senhor de que este é um projeto de oração para você. Nas horas de meditação pode vir ao coração um impulso, uma compulsão para interceder, uma certeza de acerto, um fluxo do Espírito. Este “sim” interior é a autorização divina para que você ore pela pessoa ou situação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário