26 de ago de 2011

Série Avivamento: Fruto do Espírito Santo

O Fruto do ESPÍRITO SANTO

O fruto do ESPÍRITO SANTO está relacionado com as bem-aventuranças, sendo que estas mostram como deve ser o caráter do cristão. O caráter é o conjunto das características internas que formam a alma de uma pessoa, suas qualidades e/ou defeitos; é pelo caráter e atitudes que um verdadeiro seguidor de JESUS é reconhecido. João 3 1-10

Os fariseus eram os doutores da lei de Moisés, sabiam tudo referente a ela, porém o conhecimento deles era apenas teórico: não viviam a lei, por causa da dureza de seus corações. De acordo com a bíblia, os fariseus não suportavam JESUS, pois Ele chamava-os de hipócritas, afinal, não viviam o que pregavam. JESUS chamava-os também de sepulcros caiados, isto é, túmulos embelezados pelo lado de fora, para tornarem-se mais atraentes, escondendo a podridão interna.

Uma nova pessoa

Todos nós tivemos um nascimento carnal, o qual tende ao pecado, em virtude de nossa natureza pecaminosa, sendo assim, precisamos nascer de novo, ou seja, nascer do ESPÍRITO para podermos viver em santidade.

Quando o novo homem nasce, o velho incomoda-se e começa uma verdadeira briga interna, entre fazer o bem ou o mal. Todos nós temos o ESPÍRITO SANTO à nossa disposição, toda carne O recebeu, mas nem todos sabem disso ou utilizam-se desse privilégio. Precisamos abrir o coração para que o ESPÍRITO SANTO realmente possa manifestar-se em nós.

Andar em Espírito

Veremos, a seguir, algumas ações que nos permitem andar em espírito e não na carne:

Obedecer a DEUS: em qualquer situação vivida, devemos antes de tudo, obedecer a todas as direções dadas pelo SENHOR. Se DEUS mandar-nos fazer, façamos. Se DEUS não nos mandar fazer, não façamos. Se DEUS mandar-nos seguir, sigamos. Se DEUS mandar-nos parar, paremos. Se DEUS mandar-nos perdoar, perdoemos. Se DEUS mandar-nos reconciliar, que haja reconciliação. Se DEUS mandar-nos ungir, que haja unção. Se DEUS mandar-nos orar, oremos. A obediência é a atitude e a condição que precedem as bênçãos de DEUS sobre nós.


Seguir a DEUS: a nossa busca constante a DEUS refletirá uma transformação permanente na nossa vida. Devemos estar sempre no lugar onde DEUS manifesta-se. A nossa vida deve girar em torno de DEUS, e não DEUS em torno de nós. Dessa forma, estaremos afirmando que DEUS é o centro, e não nós. JESUS chamou-nos para sermos discípulos dEle, ou seja, seguidores Dele.

Viver com DEUS: viver na companhia de alguém é compartilhar a vida, convidando-o a estar com você durante todo o dia e em todas as tarefas diárias, seja ao acordar, trabalhar, almoçar, passear, comprar, estudar, enfim, tudo o que fizer, faça na companhia de DEUS.


A qualidade do fruto revela a sua origem.

Quem realmente obedece, segue, anda e vive com JESUS mantêm-se em espírito. Um bom indicador disso é verificarmos se estamos dando frutos para DEUS através da nossa vida. Mateus 7:20

Temos duas vidas: carnal e espiritual; ambas lutam entre si em nosso interior. O

homem carnal (velho homem) tenta prevalecer sobre o homem espiritual (novo homem).

Obras da carne ou Fruto do ESPÌRITO?


· (Gálatas 5:19-21)


Todas essas obras listadas acima são conseqüências de quem está vivendo na carne, seja cristão ou incrédulo.

Aquele que está na carne vive em reação; reagindo. E aquele que está em espírito vive em ação; agindo.

Viver em espírito: fazem-te o bem e você reage com bem; fazem-te o mal e você reage com o bem. Vivemos em ação quando somos rejeitados e retribuímos com amor; quando somos ofendidos, mas abençoamos.

Viver na carne: fazem-te o mal e você reage com o mal; fazem-te o bem e você reage com o bem.


· (Gálatas 5:22-26)


Não basta termos o ESPÍRITO SANTO, temos, antes, de viver cheios dEle e andar em espírito, ou seja, devemos ter um estilo de vida baseado no ESPÍRITO SANTO, ao invés de ser baseado na carne.

O fruto do ESPÍRITO SANTO pode ser retratado como um único fruto com nove gomos. Temos de entender que esse fruto não é nosso, mas dEle, portanto, não podemos achar que temos o fruto, pois se fizermos isso, estaremos nos precipitando; temos, na verdade, acesso aos gomos, uma vez que a fonte deles está dentro de nós. Portanto, não adianta nos esforçarmos para que esse fruto seja dado ou apresentado, temos, antes, de nos esforçar para “vestir a camisa do ESPÍRITO”, andando em espírito e isso gerará a manifestação do fruto em nossa vida. Os nove gomos não são um fardo pesado de ser carregado.

O fruto e os dons se completam

Devemos entender que esse fruto é uma arma do cristão. Dispomos de dois tipos de armas: o fruto do ESPÍRITO SANTO e os dons do Espírito Santo. Os dons do ESPÍRITO são muitos e variados e nem todas as pessoas os tem na

totalidade, pois são dados de acordo com a exigência do chamado feito por DEUS para cada um. Eles são dados por DEUS para a edificação da igreja e dos outros irmãos e não para glória de homem algum. O dom é a multiplicação de determinada característica, como por exemplo: ter amor é diferente de ter o dom do amor, pois o dom gerará a

multiplicação da característica do amor na vida da pessoa. O fruto do ESPÍRITO serve para ajudar-nos, para usarmos em nossas vidas, crescermos espiritualmente, sermos luz dessa terra, demonstrarmos e darmos o bom

testemunho de vida aos outros. O fruto é uma arma que DEUS nos deu para vivermos abundantemente e vencermos com JESUS. O dom do ESPÍRITO SANTO é a manifestação do poder de DEUS na vida do cristão, enquanto que o fruto é a manifestação do caráter de JESUS CRISTO. Os dois se completam para que o cristão possa viver a plenitude do ESPÍRITO SANTO de DEUS.


O fruto do ESPÍRITO manifesta-se de nove formas diferentes:


AMOR

“O ódio excita contendas, mas o amor cobre todos os pecados.” (Provérbio 10:12)

Esse é o amor que vem de DEUS, amor esse que cobre todas as transgressões, pecados e iniqüidades. Esse é o lado do amor-perdão, em que o cristão tem a facilidade de aceitar, amar e perdoar o próximo. O amor natural não é capaz de cobrir todas as transgressões, ele não é capaz de aceitar o próximo independente de suas falhas. Quando, porém, estamos “vestidos com a camisa do ESPÍRITO SANTO” e andando em espírito, tendo-o como uma arma, temos condições de amar as pessoas em qualquer situação. Lembre-se: não temos de reagir, mas agir! Temos de amar a todos: os que nos amam ou nos odeiam. JESUS jamais nos pediria algo que não fosse possível, por isso,

não é na nossa força, mas é por meio do poder do ESPÍRITO SANTO.


ALEGRIA

“Disse-lhes mais: Ide, comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso SENHOR; portanto não vos entristeçais; porque a alegria do SENHOR é a vossa força.” (Neemias 8:10). Neemias foi um homem levantado por DEUS para reconstruir os muros de Jerusalém, mas sofreu grande crítica e oposição ao seu trabalho. Contudo, ele descreve a arma que o fez andar firme no propósito de DEUS: a alegria. Se tudo estiver ruim a nossa volta, DEUS pede-nos para nos alegrarmos e essa alegria, vinda do nosso interior, vai contagiar a todos os que estiverem do lado de fora e todas as situações desfavoráveis serão transformadas. A alegria vem do SENHOR; não das coisas deste mundo. Se tivermos as bênçãos, devemos ser alegres, mas se não as tivermos, também, pois dinheiro, pessoas, bens, não compram e nem trazem a felicidade. A teologia da prosperidade dá a impressão de que as bênçãos trarão alegria, paz e realização, mas isso é uma mentira! Somente a presença do ESPÍRITO SANTO em nós produz alegria incondicional.


PAZ

“Aparta-te do mal, e faze o bem; procura a paz, e segue-a. Os olhos do SENHOR estão sobre os justos, e os seus ouvidos atentos ao seu clamor.” (Salmo 34:14 e 15) O nosso empenho é “vestir a camisa” e andar em espírito, mas aonde podemos achar a paz? A definição do mundo para paz é ausência de conflito; JESUS, porém, disse-nos que teríamos aflições. Nossa vida é repleta de conflitos, às vezes internos, como a luta contra o pecado e, outras, externos, como perseguição na família, trabalho, desemprego, doença, etc. “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (João 16:33) Um dos maiores exemplos bíblicos de busca pela paz, deu-se com Jô: o mundo dele estava desmoronando quando enfrentava sua provação, mas conseguiu enxergar sua vida bem lá na frente. “Porque eu sei que o meu Redentor vive e por fim se levantará sobre a terra.” (Jó 19:25) Ter paz é olhar para a eternidade com DEUS, independente de como esteja sua vida hoje. “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os

seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, DEUS Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (Isaías 9:6) A paz é a sensação de bem-estar e tranqüilidade, resultante de nossa amizade com DEUS. Numa de suas horas mais difíceis, JESUS falou com seus apóstolos a respeito de sua partida: Ele tinha de ir embora, para completar sua missão, mas essa situação afligia profundamente seus apóstolos. Nesse contexto, ele lhes deu esta segurança: “Mas aquele Consolador, o ESPÍRITO SANTO, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” (João 14:26-27) É JESUS quem nos dá a paz, através do Consolador que habita em nós.


LONGANIMIDADE

Longanimidade é o sinônimo de paciência e tolerância; qualidade de controlar-se diante de uma situação adversa ou de uma provocação; é o oposto da raiva e está sempre associada à misericórdia. Essa característica de paciência é a que mais chama a atenção dos que estão ao nosso redor. Com nossas ações, ganhamos de 20% a 30% de uma essoa, talvez não chegando ao ponto de convencê-la, mas tocando-a, sim. Sem dúvida, o que mais influencia uma pessoa são as nossas reações, sendo que 70% a 80% são conquistadas em função disso. Não podemos “vestir a camisa e tirá-la, vesti-la e tirá-la”, temos, porém, de andar sempre vestidos, bem como não podemos uma hora andar em espírito e outra na carne, outra em espírito e outra na carne. Ter paciência é ter a capacidade de pensar antes de tomar qualquer atitude. Se o cristão agir assim sempre, muitas confusões e desentendimentos serão evitados.

Não é da vontade de DEUS condenar alguém, e é por causa de sua longanimidade que Ele tem dado tempo suficiente para que o homem arrependa-se e converta-se. Devemos, então, agir dessa mesma forma com as pessoas: agindo com paciência e longanimidade. “E assim, depois de esperar com paciência, obteve Abraão a promessa.” (Hebreus 6:15)


BENIGNIDADE

Benignidade não é o mesmo que bondade, pois ela aparece em nossas vidas quando passamos a viver cheios do ESPÍRITO SANTO, fazendo com que as várias áreas de nossas vidas comecem a ser modificadas. Dessa forma, nossas características malignas passam a ser transformadas em benignas, através do relacionamento com JESUS; trocamos a noite pelo dia, as trevas pela luz.“E assim, se alguém está em CRISTO, é nova criatura: as coisas antigas se passaram; eis que se fizeram novas.” (2 Coríntios 5:17) Naturalmente as coisas que nos fazem mal são deixadas para trás e substituídas por aquelas que nos fazem bem; nossa malignidade é substituída pela benignidade do SENHOR; o bem de DEUS substitui o mal do homem. Quando jejuamos, por exemplo, as mais diversas deformações do nosso caráter são expostas e isso ocorre, justamente, para que essas características ruins saiam e outras boas sejam postas no lugar.


BONDADE

A bondade é uma arma poderosa do cristão para cumprir o segundo mandamento: amar o próximo como a si mesmo. Como cristãos, devemos sentir a dor do outro, colocarmo-nos no lugar dele, tendo compaixão e compreendendo-o em todas as situações. “Em todo o tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão.” (Provérbio 17:17) Se o cristão quer ser bem tratado, o exemplo deverá partir de sua própria vida. DEUS quer que tratemos os outros da mesma maneira como gostaríamos de ser tratados.


FIDELIDADE

Fidelidade relaciona-se à aliança; trata-se de ser aliançável e isso é o contrário de ser descartável. O mundo trata as pessoas como algo descartável, DEUS, porém, preza muito a fidelidade, pois Ele quer confiar a sua obra em nossas mãos. “Sou grato para com aquele que me fortaleceu, a CRISTO JESUS, nosso SENHOR, que me considerou fiel, designando-me para o ministério.” (1 Timóteo 1:12) Nosso ministério dentro de nossa família, no trabalho, dentro da igreja, somente começa quando DEUS vê em nós a fidelidade aos irmãos e a Ele mesmo. DEUS trabalha através de alianças: aceitar JESUS, batismo nas águas, voto/jejum, etc. e, todos esses exemplos, referem-se a alianças com DEUS. O salmo 89 retrata bem a aliança e fidelidade de DEUS. Essa fidelidade faz com que Ele jamais quebre ou invalide uma aliança estabelecida com seus filhos. Que cada um de nós também possamos agir dessa mesma forma.


MANSIDÃO

A mansidão é uma arma que DEUS nos dá; ela envolve nossas escolhas e decisões. É a qualidade que temos de abrir mão do que gostaríamos, a fim de agradar a DEUS, ceder ao próximo, desde que não contrarie a bíblia e, até, abrir mão de nossos direitos legais, caso DEUS instrua-nos assim. Os mansos são irresistíveis ao ponto de constranger DEUS e as pessoas a sua volta. “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de

coração; e achareis descanso para a vossa alma.” (Mateus 11:29) “Seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranqüilo, que é de grande valor diante de DEUS.” (1 Pedro 3:4) 9


DOMÍNIO PRÓPRIO

A mansidão é uma característica de uma pessoa sensata, calma e sábia. É claramente notado na vida dela que os fatores externos, praticamente, já nem a levem ao sentimento de ira. Essa pessoa já está transformada a ponto de não ficar abalada com as notícias ruins.

O domínio próprio é a arma do cristão para evitar o mal, para sair de perto do ambiente maligno, para nem passar perto do que pode contaminá-lo, governando seus próprios desejos e fugindo da aparência do mal. Diferente da pessoa que anda na carne, a que tem domínio próprio é capaz de negar seus desejos carnais. “Abstende-vos de toda forma de mal.” (1 Tessalonicenses 5:22) Podemos citar três fatores que nos levam ao caminho mal:

- diabo: os demônios usam a vida da pessoa para pecar, mantendo-a em prisão espiritual;

- mundo: exerce influência na vida da pessoa, passando conceitos distorcidos de vida;

- carne: a carne tende a ser levada ao pecado e o gosto do pecado é perigoso e “bom”, mas a conseqüência é trágica: é a morte!


Ter domínio próprio é fazer aquilo que agrada a DEUS e não o que O confronta, e isso deve ser uma opção nossa, ou seja, não se trata de poder fazer, ou não, determinadas coisas, mas o segredo é: “eu não vou fazer isso porque eu não quero. Eu não vou pecar porque eu quero DEUS!”. “Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam.” (1 Coríntios 10:23)

Desenvolva diariamente o fruto.

Nosso crescimento, maturidade, semelhança com CRISTO e plenitude do ESPÍRITO SANTO, geram, naturalmente, o fruto do ESPÍRITO. Ele desenvolve-se mediante nosso caminhar com JESUS, nossa entrega à direção do ESPÍRITO, o qual está a nossa disposição. Vamos aproveitar Sua presença e clamar por Sua ação em nossas vidas! Se não alimentarmos nosso corpo, ele adoece e morre; assim acontece com o nosso espírito: precisamos alimentá-lo para que não morra, antes, mantenha-se conectado a DEUS; é necessário que façamos tudo o que nos edifique e nos aproxime de JESUS, aproveitando cada momento para estar em comunhão com o Pai, renunciando o que não nos faz crescer espiritualmente. Devemos deixar de alimentar a nossa carne para alimentar o nosso espírito, por

intermédio da oração, leitura da Palavra e do jejum. A unção, ou seja, a concentração do ESPÍRITO SANTO em nossas vidas, é diária, então temos de pedir para que Ele encha as nossas vidas, a fim de demonstrarmos Seu fruto. Dessa forma, manteremos a “camisa do ESPÍRITO SANTO” em nós. “E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do ESPÍRITO.” (Efésios 5:18). O fruto do ESPÍRITO ajuda a definir o que um cristão é: uma árvore frutífera ou infrutífera. Não há nada melhor do que ser uma árvore frutífera! Todo fruto revela a sua

árvore de origem: quando vemos uma maçã, podemos visualizar a macieira da qual ela brotou, cresceu e frutificou. Da mesma maneira, o fruto do ESPÍRITO manifesto em nossa vida, revela a sua origem; a origem em DEUS. Quando o fruto permanece em nossas vidas, significa que o ESPÍRITO SANTO de DEUS permanece em nós de uma forma ativa.

Lembre-se: não precisamos nos esforçar em dar o fruto, mesmo porque ele não é nosso, e sim de DEUS. Precisamos, sim, esforçar-nos para andar em Espírito, pois dessa forma, o Fruto do ESPÍRITO SANTO será, naturalmente, manifesto em nós.


Um comentário:

  1. Olá, Feliz domingo pra você!
    Vim, deixar um recadinho para o teu coração.
    Procure a postagem que diz: MEU RECADINHO e leve o selinho com você.
    beijos - san

    ResponderExcluir